NESTA TERÇA-FEIRA (04/08) OS RADARES ESTARÃO OPERANDO NOS SEGUINTES LOCAIS:

RADAR 1 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (BAIRRO/CENTRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 2 - AVENIDA GETÚLIO VARGAS (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H;

RADAR 3 - AVENIDA COMENDADOR ALFREDO MAFFEI (CENTRO/BAIRRO) VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA DE 60 KM/H.

O vigilante Erivaldo Leite Duarte ficou internado durante uma semana na UTI COVID da Santa Casa. Ele acompanhou, de perto, o trabalho dos profissionais de saúde e viu as necessidades do hospital. Por isso, depois de receber alta, doou 14 frascos de álcool em gel para a Instituição. “A doação é uma maneira de agradecer aos profissionais pelo atendimento que prestaram durante o tempo em que fiquei internado. A equipe do hospital está de parabéns pelo trabalho e por toda a atenção que oferece aos pacientes”, comenta o vigilante. 

Além da doação do vigilante, a Santa Casa tem recebido contribuições de várias empresas. A Raízen doou 1000 litros de álcool líquido 70% para ajudar na limpeza do hospital. “A Raízen acredita que, em momentos delicados como o que vivemos, precisamos nos unir, juntar forças e habilidades para ajudarmos no enfrentamento à doença e combatermos os impactos da pandemia. E, neste contexto, aliada a demais parceiros, exercermos um papel importante para botar em pé iniciativas de solidariedade que fazem a diferença na vida daqueles que mais precisam”, afirma a Gerente Industrial do Polo Piracicaba, Thais Fornicola. 

A Faber-Castell também doou para o hospital 1000 litros de álcool líquido 70%, que serão usados na limpeza de equipamentos e utensílios. O álcool foi produzido na própria empresa pelo setor de Cosméticos. “Essa doação só foi possível graças ao trabalho que a Faber-Castell vem realizando, desde o início da pandemia, por meio do Comitê COVID-19, criado com o propósito de garantir um ambiente seguro para preservar a saúde de todos da empresa e também para auxiliar as comunidades no entorno das unidades. Essa doação foi feita para ajudar os profissionais de saúde que passam por um momento de extrema importância. É gratificante para o Comitê fazer a diferença na comunidade em que estamos inseridos”, afirmam os integrantes do Comitê COVID-19 Faber-Castell.

DOAÇÕES DE EPIS

Para ajudar na proteção dos profissionais da Santa Casa, a Fhocus Optical Solutions doou 50 Óculos de Proteção. “Quantos de nós já não ouvimos aquela frase: seja a diferença que você quer ver no mundo. Nós levamos isso muito a sério. Vivemos um momento delicado na nossa história. Existe um problema que precisamos combater juntos, unidos em um único propósito de amarmos uns aos outros. Nossos médicos são a linha de frente contra esse vírus avassalador. Nós, da Fhocus, temos orgulho de participar dessa batalha ajudando como podemos, mesmo que pareça pouco. São as pequenas coisas que mudam o mundo”, comenta a Coordenadora de Laboratório, Rosangela Alves. 

O proprietário do Personal Sushi, Flávio Masselli Oioli, também entrou nessa corrente em prol da Santa Casa e doou R$ 250,00. Com essa quantia, vai ser possível confeccionar 125 jalecos para os profissionais que atuam na linha de frente. “Tenho acompanhado a situação da Santa Casa no enfrentamento da COVID-19 e precisava ajudar de alguma maneira. É uma quantia pequena, mas doada com todo o reconhecimento que temos pela Instituição, que é uma referência na região”, comenta.

A empresária Sueli Forgerini, integrante do Grupo de Voluntários Pontos de Amor que apoia a Santa Casa, confeccionou 90 máscaras de tecido para serem distribuídas na Santa Casa para os profissionais, pacientes e acompanhantes. “Confeccionei essas máscaras, pois acredito que vai ajudar bastante o hospital nesse momento. E acho fundamental colaborar com a Instituição, uma vez que ela é um bem de todos, onde somos atendidos, quando necessário. Sendo assim, temos de unir forças para superar essa pandemia”, afirma.

Outras 500 máscaras de tecido foram doadas pela professora Rita de Cassia Ruy Spina. Ela conta que já tinha a máquina, mas nunca havia usado. Foi quando viu uma oportunidade de aprender a costurar sem sair de casa e ainda ajudar o hospital. “Junto com a minha mãe, Francisca Ruy, e a minha amiga, Helen Alexandre Vicente, conseguimos confeccionar muitas máscaras. Primeiro, eu comprei os tecidos e, depois, comecei a receber doações. É muito gratificante conseguir ajudar o hospital e ser solidário nesse momento”, comenta.

Os proprietários da Confeitaria Madame Milk, Tania Leite de Camargo e Luiz Fernando Libório, doaram 40 máscaras Face Shields, fabricadas na própria empresa. Eles possuem uma impressora 3D para os trabalhos que são realizados na confeitaria e usaram o equipamento para confeccionar os protetores faciais.  “Recebemos a doação do material e usamos para produzir as máscaras. Tivemos a ajuda de clientes e amigos que, na maioria das vezes, compravam pra doar para o hospital. Foi uma grande força-tarefa para contribuir com o hospital nesse momento de pandemia”, relata. 



Adicionar comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Portal SCDN. Se achar algo que viole as regras de uso, denuncie.


Código de segurança
Atualizar codigo